Efeito Winona Ryder

Primeiro foi o Ronaldo Esper (aquele da alfinetada) que roubou vaso de cemitério - e na boa, roubar flor de morto é pior que tirar doce de criança -; agora foi o rabino Henry Sobel que passou a mão numas gravatas de grife lá na Florida. Eu não entendo essas celebridades cheias da grana que curtem afanar artigos diversos. Se dinheiro não é o problema, o que os motiva? Adrenalina?

Talvez sejam inicaitvas isoladas que constituem um protesto mundial contra a propriedade privada. Talvez a Winona Ryder, o Ronaldo Esper e o rabino Hery Sobel sejam todos anarquistas. Talvez este seja o início da Revolução. Muito medo do que vem por aí.
sexta - 30 de março, 13h27


Mais sobre eu mesmo, agora

A hora é: 15h10;
Eu estou vestindo: calção preto e cueca branca;
Cheiro: de limpeza;
Cabelos: descabelados;
O que eu estou fazendo: matando tempo antes do lanche das 15h30;
O que eu estava fazendo: imprimindo o trabalho de Rádio III;
Eu estou ouvindo/assistindo: Double You no Youtube. Foi mal aí;
Eu estou pensando: que o meu gosto musical nos anos 90 era de qualidade duvidosa;
Estou comendo/bebendo: nada;
Estou pretendendo: comer;
Eu estou: com fome e com sono;
Clima na cidade: ensolarado.
terça - 27 de março, 15h13


iPhone atiça o mercado

Chega em junho nos Estados Unidos, e em outubro na Europa, o iPhone, da Apple. Além de ser o iPod mais avançado que a Apple já tenha criado, o aparelho ainda funciona como telefone celular, máquina fotográfica, palm top e web device. Tudo em touch screen.

No vídeo abaixo dá pra ver uma demonstração dos fascinantes recursos da novidade - que ainda não tem previsão de vendas no Brasil.


terça - 27 de março, 12h01


Aula magna

Eu tenho aprendido algumas coisas bem interessantes, nos últimos meses. Por exemplo:

O valor da espera: simplesmente não agir agora; esperar um pouco. Não se deixar levar pela ansiedade e ficar quieto. Cada coisa tem seu tempo.

Não falar: 90% do que falamos ao longo do dia não serve pra nada. Portanto, é sábio calar a boca. Sai ganhando quem fala menos e escuta mais.

Confiar: eu sempre fui muito descrente. Ultimamente tenho me permitido confiar mais e tem dado certo. Às vezes precaução demais é burrice. Ou medo.

Fazer alguma coisa e parar de reclamar na frente do computador: eu tenho tempo, disposição, saúde, gás, idade e tesão suficientes pra fazer o que eu quiser. Oportunidades não me faltam. Basta executá-las.

***

As lições acima descritas são uma pequena fração dos presentes que alguém tem me dado sem pedir nada em troca. Não é à tôa que me sinto o cara mais sortudo do mundo.
terça - 27 de março, 11h23


O último suspiro dos MCs

O Rap do século XXI é uma falácia. É coisa de mané branco que arrasta calças largas e exibe um vocabulário que não é seu. E quando comparado ao Gangsta Rap dos anos 90, percebe-se que alguma coisa se perdeu no caminho sedutor que leva à fama e à fortuna.

Mesmo quem não é fã do Rap há de concordar que o estilo é altamente relevante à cultura popular contemporânea. O Rap é, originalmente, a catarse de uma coletividade abandonada à própria sorte que está distante do amparo ecônomico que a vida em sociedade falsamente afirma garantir a todos. O Rap foi gerado pela dor e expressa-se através da dor. Dessa forma, propõe reflexão acerca da sociedade que construímos e vendemos como perfeita. Assim como o Rock, o Rap é questionador, cru e verdadeiro. É música do povo para o povo, do crioulo para o crioulo. É, portanto, documento e comunicação.

Porém, quando se assiste à MTV e similares, vê-se que o espírito do Rap foi cooptado pela indústria da música Pop, que seduziu os artistas do gueto com o luxo e a glória do "purpurinado" mercado musical. O resultado disso são os rappers que fizeram fortuna, saíram da favela e abraçaram a vida recheada de paparazzis e convites para festas VIPs. A indústria reciclou a dor e a angústia do Rap e transformou-as em doces canções de amor - tornando-as, assim, mais leves e mais fáceis de serem carregadas pelas ondas do rádio até os carros dos brancos endinheirados.

Os versos do Rap atual não são muito diferentes daqueles criados pelos Backstreet Boys ou N´Sync. Os rappers adotaram os valores e o estilo de vida daqueles que um dia atacaram em suas músicas. Nesse processo, quem saiu perdendo foi o gueto. Os angustiados e revoltados das vielas se viram extraviados em sua cultura e arte. A expressão de uma realidade marginal foi pasteurizada pelos cifrões e adaptada aos olhos e ouvidos de uma elite que gosta de brincar de revoltada. É assim que se acaba com uma cultura e a transforma em tendência de moda.

O futuro do Rap ninguém conhece. Das vidas que habitam o gueto também. O que podemos fazer é esperar que as comunidades das vilas e favelas continuem se organizando e privilegiando a expressão de sua realidade através de seus próprios artistas. O sucesso é válido e ganhar dinheiro com música também. O que devemos nos opôr é à idiotização e infantilização de uma cultura que expressa as verdades que tentamos esconder. Porque o princípio do Rap é esse mesmo: abrir os olhos de uma sociedade obcecada pelo consumo de tudo que a cerca.

***

Em minha pesquisa sobre o assunto, encontrei esta beleza de glossário Hip-Hop e Funk e me lembrei por que eu sempre achei a Língua Portuguesa o fenômeno vivo mais interessante do nosso País.
segunda - 26 de março, 22h04


Snap

Bumerangue! agora tem Snap Preview Anywhere - esse ícone ao lado dos links deste blogue. Tem que goste, tem quem odeie. Me digam o que acharam. Se encher o saco, eu tiro na boa.
segunda - 26 de março, 17h20


Dia Mundial Sem Computador my ass

Eu não sei se essa história de que sábado foi o Dia Mundial Sem Computador é quente. Porque se é, Hermes e eu somos dois grandes traidores do movimento.

***

E eu descobri o tema da minha mamografia - digo, monografia. Como eu sou esperto e só revelo trabalho depois de pronto, digo apenas que é sobre alguma coisa que estava o tempo todo na minha cara e nas págnas deste blogue. Acho que vou me divertir escrevendo-a.
domingo - 25 de março, 21h


Crescendo com Millôr

Nesta semana, comecei a ler o Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr. Mais uma vez, leio Millôr com voracidade. Nunca nenhum outro autor teve tal efeito em mim.

Quando eu ouvia todo mundo citando seus autores preferidos - Bukowski, Fante, Saramago, Houellebecq, Sartre - eu me calava e murmurava que ainda não tinha encontrado a minha referência literária. Até que um dia eu li Millôr Fernandes.

Tudo aquilo que as pessoas pensam e tentam falar, o Millôr pensa e fala com mais charme. Cada linha de suas crônicas, pensamentos, reflexões, divagações, desabafos, relatos e versos são a mais pura tradução da vida - de sua glória e angústia. Quando eu li Que País é Este?, eu pensei que o Millôr tivesse descoberto o Brasil. Mas agora, com a leitura de seu Livro Vermelho, penso que talvez ele tenha descoberto o ser humano.

Todas aquelas verdades pensadas porém silenciadas pelas regras de etiqueta ou incapacidade de expressão são, na obra de Millôr, trazidas à luz através de uma espontaneidade quase infantil. O Millôr é um gênio porque é uma criança. O Millôr é um gênio porque, sapeca que é, permite-se abusar e desrespeitar os maiores. O Millôr é a prova definitiva que só os idiotas crescem.

Estou apenas no pincípio da expedição à sua obra e o meu tesão existe por saber saber que a história milloresca é tão vasta, rica e diversa que passarei alguns bons anos da minha vida estudando e aprendendo com o ele como é que se faz. Porque eu leio Millôr e aprendo sim. Leio Millôr e cresço. Porém, crescer com Millôr é manter-se jovem, ativo, ágil, travesso. Talvez ele não seja só um pensador brasileiro. Talvez ele seja o próprio elixir da juventude.

***

Da obra em estudo, retiro um pensamento que, quisera eu, fosse de minha autoria.

"O último refúgio do oprimido é a ironia e nenhum tirano, por mais violento que seja, escapa a ela. O tirano pode evitar uma fotografia. Não pode impedir uma caricatura. A mordaça aumenta a mordacidade."


sexta - 23 de março, 12h15


Chuá!

E eu não agüento mais chuva.

Pronto. Falei.
terça - 20 de março, 16h10


Obras que eu adoraria ter escrito

Post roubado do blogue do lindinho. Sugiro que façam o mesmo em seus blogues. Ou nos meus comentários.

A Queda e O Estrangeiro
de Albert Camus

Que País é Este? e Lições de um Ignorante
de Millôr Fernandes

A Morte de Ivan Ilitch
de Leon Tolstoi

Hamlet
daquele cara, como é mesmo o nome dele...?

Diana Caçadora
Márcia Denser

O Cortiço
Aluísio Azevedo

A Mulher Mais Linda da Cidade
de Charles Bukowski

Devo ter esquecido de alguns. Esse tipo de jogo é sempre muito injusto.
terça - 20 de março, 16h


#!%$$*!#*$%

Ontem eu fui no shopping com o lindinho e vi uma mulher fazendo escândalo porque a mocinha do caixa fez cagada com o cartão de crédito dela. Eu sempre fico nervoso quando alguém começa a berrar ao meu lado. Acho que é por isso que eu não simpatizo com futebol e arenas em geral. É muita gente berrando e todos parecem muito enfurecidos. E quando as pessoas começam a berrar e a dizer impropérios, eu sempre tenho a impressão que a qualquer minuto alguém vai sacar uma arma e atirar a esmo. Afinal, a violência sempre aparece sem ser convidada.

***

Outro problema que eu sempre tive foi com o fio dental. Não o biquíni, o outro. O fio dental propriamente dito. Eu nunca sei se estou usando da forma certa. Quer dizer, eu sempre fico com a gengiva doendo por horas, depois de usar. Isso é assim mesmo ou é apenas a minha gengiva que está descolando e caindo aos poucos? Talvez eu esteja aplicando muita pressão no uso. Tenho que pensar melhor sobre isso.

***

Hoje eu tenho que apresentar um programa de cinco minutos na rádio da Ulbra sobre o Pink Floyd, mas eu preferia estar na casa do lindinho fazendo campeonato de Tetris. Mas sem grilo. Eu gosto de Pink Floyd.
terça - 20 de março, 14h40


No breu

Uma hora sem luz e sozinho em casa. Não tive escolha: liguei a lanterninha do celular e me pus a fazer sombra na parede com as mãos. Tirei alguma conclusões relevantes, tais como:

1) Eu não sei mais fazer um macaco sentado no galho comendo insetos. Na verdade, pode ser tanto isso quanto um macaco sentado no chão comendo lixo. Se for o primeiro, é um macaco esperto. Se for o segundo, é um macaco porco;

2) qualquer idiota faz um jacaré que abre e fecha a boca;

3) aprendi a fazer um velho narigudo que discursa na cerimônia de abertura de um evento de gala...

4) ...que não é muito diferente de um feto que se revolta contra sua mãe e tenta ferir o útero que o contém;

5) definitivamete, tédio é uma condição que não existe na minha vida.
domingo - 18 de março, 20h57


Prêmio Pelos Atos Heróicos - ou Prêmio Pêlos: Atos Heróicos

O pessoal aqui da redação elaborou uma lista com as personalidades que merecem ganhar o Prêmio Pêlos: Atos Heróicos pelos atos heróicos realizados ao longo de suas vidas. São profissionais de expressão que enfrentaram adversidades e conquistaram a todos nós com seus pêlos e, naturalmente, seus atos heróicos. Confira abaixo os vencedores de cada categoria.


Sean Connery
Melhores pêlos a serviço da Rainha


Jude Law
Pelos belos momentos


Chewbacca
Pelos atos heróicos contra o Império Galáctico


Come-Come
Pelos serviços prestados à indústria de biscoitos


domingo - 18 de março, 11h26


Voltando atrás

Essas pessoas que falam mal dos bancos e bancários são uns desinformados.

...

...

É isso aí.
domingo - 17 de março, 22h11


O capital dos pobres

Os bancos sobrevivem da frustração humana. E dos sonhos não realizados também.

Não tem nada mais cruel que oferecer um alento a quem precisa e cobrar por isso. Os banqueiros são como nômades beduínos que vagam pelo deserto em busca de homens que, sedentos e entorpecidos pelo calor, se encontram à beira da morte. Os banqueiros, sádicos que são, lhe oferecem um copo d´água para depois avisar que levarão suas botas como pagamento. Aí você se vê saltitando nas areias do deserto, tentando evitar que as solas dos pés queimem até perderem a sensibilidade, esperando que um próximo nômade lhe ofereça botas novas em detrimento de sua camisa. E assim estabeleceu-se o ciclo da dívida eterna.

Bancos são instituições criadas para tirar dinheiro de quem não tem. Ou quem pensa que não tem, afinal é de centavo em centavo que se faz fortuna. Isso, claro, facilitado pela conivência de um governo que vê nos bancos a única saída para o despero geral da nação.

Os bancos precisam da pobreza e do desespero do mundo - suas verdadeiras fontes de renda. Torcem contra o País, anseiam pela carência financeira do povo. Nossa dor é o seu júbilo. Somos as oferendas a um deus insaciável que ludibria e distorce suas intenções, fazendo-as parecerem apaziguadoras de nossos ânimos.

Se o Paraíso é feito de deuses assim, tenho medo de ser um bom rapaz. Por isso mesmo, acho que vou fundar um banco.
quarta - 14 de março, 12h15


Questionário bem bobinho

Roubei do blogue da Lois Lane.

5 coisas que eu quero fazer antes de morrer
- Conhecer o Rio de Janeiro;
- conhecer Nova York;
- aprender francês (essa é nova!);
- compreender-me na totalidade (mas é muita pretensão);
- compreender o mundo em sua totalidade (idem).

5 coisas que eu faço bem
- Tenho idéias bacanas;
- me divirto com pouco;
- traço paralelos entre assuntos aparentemente díspares;
- imagino;
- ouço;

5 coisas que eu mais digo
- "Total!";
- "acho que eu não prestei atenção...";
- "não entendi...";
- "tô com fome";
- "tô com sono".

5 coisas que eu não faço (ou não gosto de fazer)
- Cozinhar;
- arrumar ambientes;
- jogar papéis fora;
- ficar pendurado ao telefone;
- falar sério.

5 coisas que me encantam
- Hermes;
- escrever;
- refletir;
- cães;
- pingüins.

5 coisas que eu odeio
- Ter fome;
- ter sono;
- confronto;
- gente falando alto no ônibus;
- perder o controle.
quarta - 14 de março, 10h16


A vulva - ou aquilo que você pensa que pode agüentar

Justamente hoje que reescrevi um texto sobre a crise feminina, me deparo com o trEPA!, uma beleza de zine-manifesto que apresenta "(...) o olhar da mulher sobre o universo feminino... masculino, homossexual, andróide, animal, extraterrestre, celeste e lá vai pedrada". Bumerangue! recomenda - em especial para os integrantes do Time do Falo Orgulhoso*.

*Nota do Autor: "falo orgulhoso" é pleonasmo.
segunda - 12 de março, 21h48


Sala escura

Fomos ver O Labirinto do Fauno. Melhor do que eu esperava. Assustadora e com tensão crescente, a história abre possibilidade para discussão sobre infância, imaginário, ditadura, violência e família. Deve estar saindo de cartaz nos próximos dias, portanto aguarde chegar em DVD e alugue. Mesmo tendo visto no cinema, também vou assisti-lo em DVD porque fico aqui pensando que os extras devem ser uma delícia.

Vimos também C.R.A.Z.Y. Piegas, tocante e clichê. Enfim: bonitinho. Talvez longo demais. Mas o ingresso vale pelas inúmeras referências a David Bowie. Especialmente no momento Space Oddity. Quem é fã do cantor vai se identificar com essa cena e sentir o gogó apertar.
domingo - 11 de março, 21h32


Péssimas duas opções

Eu não quero ter que escolher.
sábado - 10 de março, 12h38


Melhor compilação de testes para a sexta edição do American Idol - ou dezenove motivos para dar o fora de Seattle

A música é Don´t Cha, das Pussycat Dolls.

Só dá elas hoje.


quarta - 7 de março, 16h17


Unsexy



Epiléticas e convulsivas, as PCD têm nada de sexy.

Estas aí são as Pussycat Dolls. Já falei aqui que não as entendo. É um grupo supostamente musical formado por seis mulheres que fazem todas a mesma coisa: cantam todas no mesmo tom e dançam todas do mesmo jeito. E agora a coisa ficou pior: dizem por aí que elas estão à cata de uma sétima pussycat. Porque, naturalmente, é difícil fazer o que elas fazem só com seis integrantes.

E, ah!, o pessoal da redação do Bumerangue! elegeu a fotinha aí em cima a pior da semana. Justo. Muito justo.

Para vê-la em tamanho grande (por que alguém faria isso?), clique aqui.
quarta - 7 de março, 11h48


Trecho da entrevista televisionada de um ator brasileiro de grande popularidade e carisma

Pergunta - Fale um pouco sobre o seu personagem na nova novela das oito. Quem você vai interpretar?
Resposta - Eu vou interpretar o Diogo, que é um empresário, um executivo muito ambicioso que (gesticula na altura do rosto. Aperta os olhos) manipula as pessoas para conseguir o que quer.

P - Ou seja, um vilão.
R - Um vilão, sim.

P - Você interpretou poucos vilões, até agora. Por que? Você acha que a televisão, que é o seu principal campo de atuação, limita o ator a papéis previsíveis?
R - Eu acho que na televisão... (longa pausa) ...a gente, o ator, lida com a imaginação do povo. Então as pessoas confundem, você sai na rua e te chamam pelo nome do seu personagem. É lindo de ver! É um carinho enorme e acho que essa é a gratificação maior que um ator pode ter.

P - Mas por que você acha que nunca lhe dão papéis de vilão?
R - Acho que é... (longa pausa) ...é uma longa responsabilidade que o ator tem. As pessoas estão em casa te vendo, são milhões de pessoas que, sabe, mal têm o que comer. Então tem toda essa coisa do imaginário, do sonho, da fantasia. Então, com certeza, o trabalho do ator exige muita responsabilidde. Muita... (longa pausa) ...seriedade.

P - (Visivelmente exaltado) Sim, mas por que lhe dão só papéis de bom moço? Você acha que os diretores têm dificuldade em lhe perceber como um vilão?
R - (Suspira. Beberica num copo de plástico. Os olhos varrem o chão) Sem dúvida que quem está em casa às vezes vê o ator, às vezes vê o personagem. Então são identidades que se misturam. E você tem que manter a cabeça no lugar, não pode se deslumbrar e dizer "ah, agora eu sou assim na novela, vou ser na vida real também". Não dá. E eu percebo que os jovens atores não estão sabendo lidar com isso. Acho que é aí que reside a responsabilidade de... (longa pausa) ...profissionais da minha geração em instruir os novos talentos. (Exibe ar de satisfação e deslumbre com a própria fala).

P - (Visivelmente enfadado. Suspira. Olha para câmera) Intervalo. Já voltamos.
segunda - 5 de março, 21h50


Alive and well

Muito tempo sem postar e o povo estranha.

***

Dani Moire Moreira esteve em Porto Alegre na semana passada. Passei os últimos quatro dias ciceroneando-a pela cidade. Botei a paulicéia pra caminhar: sobe e desce Independência e Duque de Caxias, vai e volta pela Venâncio Aires e, pra afugentar o calor, uma ceva na Cidade Baixa, ao final do dia. Apesar do calor que nos acompanhou a maior parte do tempo, foi muito divertido. Tenho a impressão que ela gostou de Porto Alegre. Principalmente porque dá pra fazer tudo a pé. E também porque aqui é cheio de casinhas, palacihos e prediozinhos abandonados. Um prato cheio pra quem curte fotografar esse tipo de coisa.

Ah! E ela me nomeou representante gaúcho da Comissão Informal de Estética Urbana. O título veio depois que eu disse que deveria ser proibido construir prédio feio. Mas na verdade, eu não sei muito bem o que um integrante dessa comissão tem que fazer. Acho que eu tenho que sabotar uns edifícios por aí. Deve ser.
segunda - 5 de março, 14h41



o espírito de porco olha por este blogue


instigar
repolhópolis
la vie jetable
groundhog day
caderno de vidro
pensar enlouquece
one watercolor a day
caligrafia na pele
boca da cena
república livre
entretantos
sympton of the universe
trEPA!

vitor.diel@gmail.com


2007
fevereiro
janeiro

2006
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2005
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2004
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2003
dezembro
novembro-outubro
setembro
agosto