Rescisão

Fui demitido. Redução de quadro funcional.

Mas como eu sou esperto e sempre tenho uma carta na manga, já sei o que fazer. Vou pro Centro fazer concorrência ao tiozinho que repete pilhaisqueirocortaunhaagulheiroumreal na parada do ônibus.

Não, mentira. Eu vou ler mais. Demissão resulta em mais tempo livro.
terça - 26 de fevereiro, 20h05


Buscas malucas

Já há alguns meses, Bumerangue! tem um contador do Statcounter que não apenas registra a quantidade de visitas a este blogue, mas também de que maneira vocês chegam até aqui. Todas as palavras-chave digitadas nos sites de busca e que os trouxeram a estas páginas ficam gravadas e, dessa forma, nós, da redação, conseguimos saber o que vocês mais querem ler.

De acordo com o contador, as Pussycat Dolls e suas variáveis disparam na frente:
- pussycatdolls;
- the pussycat dolls;
- pussycat dolls imagesize:medium;
- sétima integrante pcd.

Em segundo lugar, vêm as buscas mais, ahn, explícitas:
- fotos de cadáveres mutilados;
- vídeos de sexo voyeur de rua no youtube;
- posição sexual modelos reais;
- apelidos para partes íntimas;
- youtube sexo japoneses.

Em seguida, vêm os internautas utilitaristas:
- regras de etiqueta para convites infantis;
- modelo de contrato social para lan house;
- modo de se fazer bumerangue.

Os apressados:
- tudo sobre Dee D. Jackson;

Os místicos:
- previsões acerca do futuro dos extraterrestres;
- livro vermelho dos discos voadores;
- medo de fantasma no século XIX;
- horóscopo do bumerangue.

Os existencialistas:
- o que garante a existência dos dias e noites?;
- diferença entre companhia e companheiro;
- não leve a vida tão a pulso.

Os historiadores:
- profissões liberais na Grécia antiga;
- separação que Zeus faz das metades;
- o que Dom João VI trouxe de inovador em relação à educação?
- origens da democracia.

E os que preferem o Google ao médico:
- quando fico nervoso minha pressão aumenta 17/11;
- gengiva descolando;
- gengiva doendo.

Eu aqui me esforçando para manter um blogue com assuntos diversos e o povo querendo saber mesmo é de Pussycat Dolls, muita putaria e tratamento para problemas gengivais.

Desconsideração é o que vejo. Mágoa é o que sinto.

Estamos em greve.
terça - 26 de fevereiro, 11h32


Tédio

Minhas previsões se confirmaram: a File é um saco.

Eu tenho alguns poréns em relação à arte digital, por que muitas vezes ela parece mero exibicionismo tecnológico. Sem falar que as coisas vivem pifando.

Pendura um quadro na parede que ele nunca pára de funcionar. Heh

Além do que, se é pra ver mouse, teclado e monitor, fico em casa. Falei?
segunda - 25 de fevereiro, 11h33


Hay que endurecer, pero sin perder la democracia jamás

Fidel renunciou hoje por problemas de saúde, depois de 49 anos no poder. Dizem que Cuba vai respirar ares democráticos pela primeira vez em quase cinco décadas. Talvez seja o início de um período politicamente frutífero para a ilha caribenha. Finalmente.

Sim, Cuba não tem analfabetos e seu sistema de saúde é exemplar. Mas Educação e Saúde foram as duas armas encontradas por Fidel para cooptar o apoio popular necessário para legitimar seu governo. Afinal, toda ditadura precisa mascarar-se de benéfica ao povo para ser aceita e, assim, permanecer no poder.

Quem paga o preço da ditadura de Castro é o povo cubano. E cá entre nós, se Cuba fosse o ideal socialista, eles não se jogariam ao mar em balsas feitas com paus e portas de geladeiras, tentando chegar à Florida.

Mas alguém além do próprio comandante en jefe se beneficia com sua permanência no poder. Afinal

"(...) nenhum regime forte produz igualdade ou liberdade. Já é sabido de antemão quais grupos serão beneficiados nos regimes ditatoriais"
Osvaldo Biz, Sessenta e quatro – Para não esquecer.

Demorou.
terça - 19 de fevereiro, 21h30


Preferência pela estupidez

- Isso aí é tipo Pearl Harbor - disse um dos homens.
O outro perguntou:
- O que que é Pearl Harbor?
- Foi quando os vietnamitas jogaram bombas em um porto, o que começou a Guerra do Vietnam.

Matéria sobre a atual oposição dos americanos à cultura geral aqui. É de arrepiar.

Atenção para a narração do episódio envolvendo uma participante do "American Idol" (o "Ídolos" americano) no programa "Você é mais inteligente que um aluno da quinta série?" de lá.

- Eu achava que Europa fosse um país.

Heh.

Abaixo, o vídeo.


sábado - 16 de fevereiro, 10h


Educação e democracia

Que o exercício da democracia de um país depende diretamente do plano de educação estabelecido por ele, todo mundo já sabe. Mas foi lendo "Origens do discurso democrático" (Editora L&PM), de Donaldo Schüler, que encontrei a explicação mais sucinta e objetiva sobre esta relação. Vide abaixo.

"Recordemos 'Os tristes trópicos' de Lévi-Strauss. Um cacique nhambiquara, vendo-o escrever, imita-o para impor respeito aos subordinados. O antropólogo, com cinco anos vividos na floresta brasileira, baseado no episódio, conclui que a escrita é instrumento de opressão. Assim foi no Egito Antigo. Assim é no Brasil?

Reexaminemos a conclusão do observador. A escrita é opressiva quando só o cacique escreve ou quando apenas uma classe escreve como ocorreu às margens do Nilo e na Idade Média. À medida que aumentam os escreventes aumentam os caciques. Em nossa terra, sujeitos a caciques estão os que não sabem escrever ou os que mal escrevem. Quem não tem mãos para escrever, afirma Xenófanes, não se levanta acima do nível de cavalos e bois. Seremos um estado verdadeiramente democrático quando a escrita fizer de todos os brasileiros caciques. (...) A escrita não está sujeita a autoridade, ela constrói autoridades."
sexta - 15 de fevereiro, 13h40


Britney na rua

Hoje eu vi duas moças classe média vestidas como a atual Britney Spears e não sabia se ria ou chorava.

Quer saber? Assim, ao vivo, nem é tão ruim. É, na verdade, conceitual: moda rampeira barata.
quinta - 14 de fevereiro, 22h10


Dando dados

Saindo dos meus favoritos e entrando nos meus links, sem cair no meu conceito. Te dou um dado? aí ao lado (opa, rimou!) - o melhor blogue sobre a monocelha da Lourdes Maria.
segunda - 11 de fevereiro, 22h


Reflexões sobre a TV aberta

Tenho tido sucesso em minha última empreitada: manter-me completamente alienado quanto ao BBB. Afinal, devemos reconhecer o esforço envolvido nesta tarefa, considerando que o BBB é assunto em todos os círculos sociais, sites, portais, jornais e programas televisivos - inclusive os da concorrência. Taí uma prova do caráter impositivo do Big Brother: até a concorrência se curva a ele. Não há competição, há reiteração de assunto. Muda-se o canal, mas a pauta é a mesma. A Globo consegue propaganda de si mesma até em outros canais. Quer força maior que essa?

Impossível ignorar, porém, a repetição da mesma novela das nove há mais de ano. Sempre a mesma história, o mesmo conflito, os mesmos atores, as mesmas cenas, o mesmo cenário. Ao que parece, a elite-branca-zona sul-carioca é a fonte inspiradora primeira dos novelistas. De modo tal que cometem alguns absurdos na concepção de suas histórias, como colocar a Susana Donatella Versace Vieira no papel de reitora de universidade e retratar uma universidade como algo não muito diferente da escola da Malhação. A novela brasileira é um dos nossos principais produtos de exportação. O que pensam os chineses, mexicanos, portugueses e franceses ao nos verem ocupados com tanta azaração, curtição, ciumeira e bate-boca durante o dia? Devem pensar que somos uma nação de fúteis. Mas aí eu penso: não seríamos mesmo?


Dá vontade mesmo. Grafite do Banksy,
em Londres.

Ao falarmos em repetição, difícil não mencionar o SBT. Além de insistir na compra de programas da TV americana, por preguiça ou incapacidade de inventar os seus próprios, Sílvio Santos ressuscita "Qual é a música" e mantém exatamente o mesmo formato. Talvez até o cenário seja o mesmo dos anos 80. O Sílvio parou no tempo do Blade Runner, quando o néon era "o maior barato".

Dó de quem não tem TV a cabo - que também não tem grandes programas, mas pelo menos nos dá a possibilidade de zapear por mais canais. A TV brasileira entrou no túnel do tempo e não encontra o caminho de volta. Até quando estaremos fadados à mesmice televisiva? A ausência de ousadia é a regra e o tédio, o objetivo. Acordem, diretores de programação. Com os computadores a preço de banana, a nova tv vai roubar o público de vocês. Podem escrever.
segunda - 11 de fevereiro, 11h



o espírito de porco olha por este blogue


tem uma entrevista
velha aqui


repolhópolis
groundhog day
caderno de vidro
pensar enlouquece
caligrafia na pele
república livre
entretantos
sympton of the universe
trEPA!
descartável.com
banho-maria
o calcanhar do aquiles
filosofonet
te dou um dado?

vitor.diel@gmail.com


2008
janeiro

2007
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2006
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2005
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2004
dezembro
novembro
outubro
setembro
agosto
julho
junho
maio
abril
março
fevereiro
janeiro

2003
dezembro
novembro-outubro
setembro
agosto